PUBLICIDADE
AVANÇAR

Menu

0

0

Monção

Monção: Inferno ‘caiu’ sobre o concelho – Foi há quatro anos [FOTOS]

15 Outubro, 2021 - 00:00

1891

1

Um em cada três metros quadrados do concelho ardeu.

Foi um dos maiores incêndios florestais da história de Monção. Possivelmente o maior. Para a história, ficou uma frase negra que deixa perceber claramente a dimensão dos danos causados pelo inferno que atingiu o concelho naquele dia 15 de outubro de 2017 – “Um em cada três metros quadrados do concelho ardeu”.

 

Foi o pânico em todas as freguesias. Toda a Estrada Nacional 202 cortada ao trânsito, com labaredas de um lado e do outro da estrada. Caiam lágrimas perante as chamas que ameaçavam as habitações. Para a história, fica também o heróico trabalho realizado pelos mesmos de sempre: os bombeiros. Todos eles a dar tudo e, mesmo no limite, recusaram-se sempre a desistir. Venceram.

 

Quatro anos depois, várias feridas já cicatrizaram. Desde então, o Município liderado por António Barbosa tomou várias iniciativas de reflorestação. Várias delas com centenas de crianças que plantaram milhares de árvores nas zonas outrora invadidas pelas chamas.

 

 

 

Inferno caiu sobre Monção a 15 de outubro de 2017
[Fotografias: Márcio Ferreira]

 

 

 

Mas Monção não esquece. Nem pode esquecer o sucedido. Para evitar que tal suceda, recorde-se, artistas portugueses e galegos chegaram a fazer esculturas com o que sobrou da tragédia. Uma data dolorosa também para a organização do FolkMonção. As chamas destruíram totalmente o armazém onde estava guardado todo o material do festival. 

 

 

Armazém do FolkMonção totalmente destruído pelas chamas
[Fotografia: DR]

 

 

A pouco e pouco, o concelho foi-se levantando. Volvidos quatro anos, aos microfones da Rádio Vale do Minho, o presidente da Câmara lembra que ainda há obstáculos por ultrapassar nesta matéria. 

 

“Há muito para fazer em áreas onde nós temos um pouco pés e mãos atadas”, lamentou o autarca que defende uma legislação “mais dura” no que diz respeito à limpeza de áreas privadas.

 

“Tem de existir uma alteração legislativa forte a nível nacional. Um sinal muito forte para todos nós, de responsabilização das pessoas”.

 

A área ardida ascendeu a 4.300 hectares. Foram atingidas 20 das 33 freguesias (antiga denominação administrativa). Além de animais mortos e alfaias agrícolas destruídas, contabilizaram-se cinco casas de primeira habitação ardidas mais um anexo com recheio de habitação, 28 edifícios devolutos, 51 anexos de apoio à agricultura e algumas empresas dedicadas à transformação de madeira e de pedra. Foram afetados 15 postos de trabalho.

 

 

[Fotografia de capa: Márcio Ferreira]

Últimas