PUBLICIDADE
AVANÇAR

Menu

1

0

País

País: Neste posto o combustível já superou os dois euros por litro

13 Outubro, 2021 - 12:43

617

0

Governo tem sido criticado pelo peso da carga fiscal sobre os combustíveis.

O combustível já superou os dois euros num posto localizado na cidade de Beja, na região do Alentejo. A notícia está a ser avançada pelo Jornal Económico, que cita o portal Mais Gasolina. Num posto da BP em Beja (Castilho), o litro de gasolina 98 Ultimate atingiu os 2,009 euros.

 

Uma fotografia partilhada na página do Contas-poupança também mostra o preço praticado nesta bomba na capital do Baixo Alentejo.

 

O barril de Brent, a referência para Portugal, está hoje a cair 0,14% para 83,30 dólares. O Brent subiu mais de 99% no espaço de um ano, começando nos 35,74 dólares.

 

No seu relatório mais recente, a Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) destaca que o distrito de Beja é um dos que regista os preços mais elevados em todo o país tanto na gasolina simples 95 (1,739 euros por litro) como no gasóleo (1,513 euros por litro).

No caso da gasolina, Beja surge na segunda posição a nível nacional, apenas superado pelo distrito de Bragança (1,740 euros/litro).

 

No caso do gasóleo, Beja é mesmo o distrito com o preço mais elevado, com Lisboa a surgir na segunda posição (1,511 euros/litro).

 

 

 

Mais de dois euros também em Gaia

 

A Rádio Vale do Minho também consultou o respetivo portal e já não é só em Beja que o combustível já superou os dois euros por litro. Num posto da Repsol localizado na A1, em Vila Nova de Gaia, o litro de gasolina 98 já chega aos 2.029 euros.

 

 

 

Gasolina 98 ultrapassou barreira dos dois euros num posto em VN Gaia

[Fonte: Mais Gasolina]

 

 

 

O Governo tem sido criticado pelo peso da carga fiscal sobre os combustíveis que ronda os 60% do preço final em cada litro.

 

Analisando a proposta do Orçamento do Estado para 2022, a Associação Nacional de Revendedores de Combustíveis (Anarec) defende que “a carga fiscal pesadíssima que incide sobre o preço dos combustíveis, e que representa cerca de 60% do preço que o consumidor final paga por cada litro abastecido, tem necessariamente que ser revista”, lamentando que “o Governo não tenha introduzido esta medida no OE do próximo ano”.

 

[Fotografia: Ilustrativa/DR]

Últimas