PUBLICIDADE
AVANÇAR

Menu

+

0

3

Galiza

Tui a ‘ferver’ com sinalética que mostra nome… em castelhano (exemplificam com Valença)

22 Dezembro, 2022 - 00:03

10699

5

Dirección Comarcal da Galiza Nova no Baixo Minho diz mesmo que é “uma aberração”.

É sempre bom ter boa sinalética no concelho. Mas torna-se desagradável quando vemos o nome do nosso concelho escrito de forma incorreta.

 

É precisamente isso que, conta o jornal Telemariñas, está a acontecer em Tui, concelho galego vizinho de Valença.

 

Um sinal de trânsito informativo nas proximidades daquele concelho alerta os condutores para uma rotunda. À esquerda para… “Tuy”. É isto que está a deixar os tudenses incomodados.

 

Ora, a forma correta e “oficial” é “Tui” (em galego). O termo “Tuy” é castelhano e oficialmente errado.

 

No palco político, o Bloco Nacionalista Galego (BNG) já manifestou revolta perante esta situação.

 

“A toponímia constitui uma riqueza e um património imaterial do nosso país que precisa de ser mantido e preservado. Isto porque faz parte da nossa identidade coletiva”, disse àquele jornal a porta-voz do BNG Tui, Carme Núñez.

 

Também indignada com esta situação está a Mesa pola Normalización Lingüística, uma plataforma e movimento social, fundada em 1986, que defende a língua galega.

 

“A toponímia galega está protegida pela Lei desde 1983 e verificamos que são as próprias instituições que continuam a ser responsáveis pelo incumprimento deste decreto”, lamenta.

 

 

Exemplificam com Valença

A Dirección Comarcal da Galiza Nova no Baixo Minho exemplifica mesmo com o concelho vizinho português, Valença, com o qual Tui forma uma Eurocidade.

 

“Não só já não se usa Tui com ípsilon [i grego] como também já não se escreve nome de Valença do Minho com “ñ” [Valença do Miño]”, alerta. “Pensávamos que essa lógica de espanhismo e distorção tinha sido relegada à agenda da extrema direita”, disse Nerea Cazás, daquela entidade.

 

“O facto das instituições continuarem a promover estas aberrações é apenas um sinal de desinteresse e de estupidez para com a nossa língua, que devem promover e zelar por lei”, apontou ainda o responsável.

 

 

[Fotografia: DR/Via jornal Telemariñas]

Últimas