PUBLICIDADE
AVANÇAR

Menu

+

0

2

Monção

Monção: Os ‘sete’ já começaram a reunir – PSD e PS trocaram ‘mimos’ logo no arranque

16 Outubro, 2021 - 01:12

2910

0

Sim. Barbosa recuou até ao mandato 2013-2017.

“Fazer e dar melhores condições de vida aos nossos cidadãos. Preparar o futuro para os nossos filhos, para os nossos netos”.

 

Foi com estas metas que o presidente da Câmara Municipal de Monção, António Barbosa (PSD), iniciou a primeira reunião do Executivo Municipal do seu segundo mandato à frente da Câmara Municipal de Monção.

 

Sobre os resultados eleitorais do passado dia 26 de setembro, o autarca social-democrata não teve dúvidas na interpretação a ser feita.

 

“A vontade popular foi muito clara, dizendo que quer este Executivo que aqui está, sem oposições. Um Executivo em uníssono, a trabalhar para o futuro do nosso território. É o grande sinal que sai destas eleições”, considerou.

 

Já de olhos postos no Orçamento Municipal para 2022, Barbosa sublinhou que “contamos com todos”. “Iremos ouvir todos os partidos, ouvir as ideias e perceber de que forma é que podem ser integradas no projeto que foi sufragado. Mas há sempre boas ideias, que saem de todos os quadrantes que irão ser naturalmente aproveitadas”, garantiu.

 

 

PS pede celeridade…

A liderar a oposição socialista, Filipe Quintas começou por salientar que “é uma enorme honra e uma enorme responsabilidade fazer parte desta Câmara Municipal para este mandato”. “Assumo-o com um sentido de missão enorme em servir os monçanenses. Todas e todos, sem exceção”, disse.

 

“A partir do passado dia 26 à noite, o nosso partido passou a ser um: Monção. É com esse sentido de responsabilidade e de missão que aqui estou e que irei desempenhar as minhas funções com total lealdade”.

 

Em sintonia, Vítor Rodrigues sublinhou também que “embora com estatuto de oposição, não estamos neste órgão para fazer oposição”. “Iremos acompanhar, fiscalizar e até criticar as políticas do Executivo [maioria social-democrata]. Estamos cá para fazer o melhor por Monção”, assegurou.

 

Feitas as notas introdutórias, e pela mão de Filipe Quintas, a vereação socialista entregou dois requerimentos ao presidente da Câmara. 

 

“Um dos requerimentos prende-se com informação sobre a situação financeira do Município. Solicitamos ao Sr. Presidente que nos faculte até à próxima reunião de Câmara ou através do nosso e-mail esta informação a 30 de setembro deste ano, de 2019, de 2018 e de 2017″, pediu.

 

“Que esta informação contenha também os saldos das operações orçamentais de tesouraria e que igualmente contenha os saldos devedores de empreiteiros e fornecedores”, acrescentou o vereador socialista, sendo também requerido “que esta informação nos seja prestada de forma mensal nestas reuniões. Que seja apresentada no início de cada mês, referente ao mês imediatamente anterior“.

 

No outro requerimento apresentado, explicou Filipe Quintas, a vereação socialista pede – também até à próxima reunião de Câmara – “informação sobre a situação de pessoal no Município a 30 de agosto deste ano, discriminando os trabalhadores por vínculo laboral”.

 

A concluir, Filipe Quintas, justificou estes pedidos.

 

“Entenda isto como alguém que precisa de ter informação e nós precisamos de a ter para começar a fazer o nosso trabalho e dar os nossos contribuitos para uma gestão profícua do nosso Município”, finalizou.

 

 

 

… e Barbosa recuou a 2013

Na reação, o presidente da Câmara acolheu os pedidos da vereação socialista. Não garantiu que todas as solicitações fiquem disponíveis até à próxima reunião de Câmara, mas deixou compromisso de maior brevidade possível.

 

Porém, Barbosa recuou até ao mandato 2013-2017, em que liderou a oposição social-democrata, sendo Augusto Domingues (PS) o presidente da Câmara de Monção.

 

“Sei qual é o papel da oposição. Estive nele durante quatro anos e nem sempre encontrei portas abertas para obter essa informação tão necessária para que possamos trabalhar”, lamentou.

 

“Só para dar-lhe um exemplo, nesse mandato, pedi informação sobre o fundo de maneio – com o qual eu acabei. Sabe quanto tempo estive à espera dessa informação? Oito meses!”, exclamou Barbosa.

 

Mas os exemplos não se esgotaram aqui. “Logo na primeira reunião de Câmara desse mandato pedi uma auditoria às contas para ter uma informação mais detalhada. Isso foi-me negado”, lembrou.

 

“Mas podem ter a certeza que isto não acontecerá convosco”, garantiu António Barbosa à vereação socialista.

 

O líder da oposição não deu réplica imediata às palavras do edil social-democrata. No entanto, ao longo da reunião, Filipe Quintas acabou por deixar uma recomendação ao presidente. “Não se foque no passado, mas sim no presente e no futuro”.

 

 

 

[Fotografia: Rádio Vale do Minho]

Últimas