PUBLICIDADE
3
AVANÇAR

Menu

+

0

0

Galiza

Galiza: Mais um radar destruído à martelada

18 Agosto, 2023 - 16:58

757

0

Aparelho é dos que mais multa em toda a Galiza.

É mais um caso de um radar atacado à martelada na Galiza. Desta vez aconteceu na A-55, na localidade de Sanguiñeda, próximo de Vigo.

 

Segundo o jornal Atlántico, o aparelho tem sido um autêntico pesadelo para os condutores. Foi ativado há algumas semanas pela Direção Geral de Trânsito. A avaliar pelo grau de violência, tem sido dos aparelhos mais temidos.

 

O vidro de proteção foi partido, por forma a dificultar a captação de imagem. No entanto, refere ainda aquele jornal, o resto do aparelho não sofreu quaisquer danos.

 

As multas podem chegar aos 3.000 euros.

 

Está localizado num troço da A-55 considerado um dos mais perigosos em toda a Galiza. Ali, a velocidade máxima situa-se entre os 60 e os 80 Km/h. Algo que muitos condutores dificilmente conseguem controlar.

 

Até ao momento não há registo de suspeitos da autoria deste ato de vandalismo.

 

Recorde-se que, no passado mês de maio, um outro condutor destruiu um outro radar fixo localizado na estrada SC-20 na localidade de Conxo, em Santiago de Compostela, na Galiza.

 

Segundo o jornal La Voz de Galicia, o homem passou pelo radar às 2h00. O flash disparou. Percebendo que tinha sido multado, o homem parou a viatura. Tirou um martelo da viatura e atingiu o aparelho várias vezes.

 

As consequências para o condutor serão sobretudo financeiras, explica aquele jornal. No entanto, com a atenuante de ter confessado espontaneamente o crime.

 

A multa será de 6 a 24 meses. O valor incidirá sobre o custo da reparação do aparelho e também na situação económica do culpado.

 

Embora tendo continuado em funcionamento, o vidro do radar ficou danificado. Será necessário trocá-lo e, por isso, o custo da reparação será maior.

 

Este aparelho, mesmo sinalizado, é um dos que mais multas regista em Santiago de Compostela.

 

Houve polémica quando entrou em funcionamento, dado que muitos condutores consideram que há mais interesse em arrecadar dinheiro do que zelar pela segurança rodoviária.

 

 

 

[Fotografia: jornal Atlántico]

Últimas