PUBLICIDADE
AVANÇAR

Menu

+

1

0

Melgaço

Batista: “O MDOC vai continuar a fazer o impensável no sítio mais impensável”

1 Agosto, 2022 - 16:21

577

0

Edição deste ano fica marcada pelo maior número de longas-metragens desde o arranque deste festival.

Começou esta segunda-feira, em Melgaço, mais uma edição do MDOC – Festival Internacional de Documentário de Melgaço. Vai prolongar-se até dia 7 de agosto.

 

A edição deste ano fica marcada pelo maior número de longas-metragens desde o arranque deste festival: contará com 22 longas-metragens de 12 países diferentes e ainda 10 curtas-metragens. Todos eles refletem o ponto de vista dos autores sobre questões sociais, individuais e culturais relacionadas com identidade, memória e fronteira.

 

Os filmes são também candidatos ao Prémio D. Quixote, atribuído pela FICC, Federação Internacional de Cineclubes.

 

Na competição ao Prémio Jean-Loup Passek, no valor de três mil euros, concorrem trabalhos de 16 países diferentes, entre os quais filmes portugueses. O Prémio para o Melhor Cartaz de Cinema será atribuído ao designer de um cartaz original criado para um filme com produção portuguesa ou galega.

 

“O MDOC vai continuar a fazer o impensável no sítio mais impensável. Este evento é, sem dúvida, uma grande alegria e privilégio”, disse o presidente da Câmara de Melgaço, Manoel Batista.

 

O programa inclui ainda exposições, oficinas, debates, a residência cinematográfica e fotográfica Plano Frontal, exibição de documentários e um programa formativo – o “Fora de Campo”.

 

O festival é uma iniciativa da Câmara Municipal de Melgaço em parceria com a AO NORTE – Associação de Produção e Animação Audiovisual, que acontece desde 2013 e pretende promover e divulgar o cinema etnográfico e social, bem como refletir sobre identidade, memória e fronteira.

 

 

[Fotografia: Arquivo/DR]

Últimas