PUBLICIDADE
AVANÇAR

Menu

+

0

0

País

País: Agricultores vão sair à rua contra extinção de direções regionais

16 Janeiro, 2023 - 21:09

281

0

Manifestação.

A Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP) vai protestar contra a extinção das atuais direções regionais de agricultura (DRA), que serão integradas nas comissões de coordenação e desenvolvimento regional.

 

Segundo o jornal Voz de Trás os Montes, o primeiro protesto acontece a 26 de janeiro em Mirandela e no dia 30 acontecerá em Castelo Branco, onde fica atualmente a sede da Direção Regional de Agricultura e Pescas do Centro, cuja direção irá passar para a sede da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro, em Coimbra.

 

Eduardo Oliveira e Sousa, o presidente da CAP, justifica o protesto “porque rejeitamos ser espectadores passivos do colapso do Ministério da Agricultura e da desvalorização do Mundo Rural”.

 

As criticas da CAP não se ficam apenas pelas mudanças nas DRA, com o seu presidente a considerar que o ministério “perdeu peso político” com a retirada da tutela das florestas mas que também “foi incapaz de se bater por apoios ao setor no decurso da pandemia, inoperante na execução do Portugal 2020 com mais de 1.200 milhões de euros por executar, ausente em apoios durante a seca severa que o país atravessou, que anuncia pagamentos e reiteradamente incumpre prazos por si estabelecidos, omisso em medidas capazes de mitigar o aumento brutal dos custos da energia e dos combustíveis e que ainda não operacionalizou apoios financeiros decorrentes da guerra na Ucrânia e já aprovados por Bruxelas.”

 

Sobre a passagem das competências das DRA para a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR), a CAP entende que “lesa a agricultura portuguesa, não está conforme as regras da Política Agrícola Comum e é prejudicial para o desenvolvimento da agricultura e da floresta nacionais”.

 

A confederação põe ainda em causa os conhecimentos ou qualificações das CCDR “para a operacionalização de fundos que são destinados aos agricultores, o que é inaceitável”.

 

 

 

[Fotografia: Arquivo/Jornal do Luxemburgo]

Últimas