PUBLICIDADE
3
AVANÇAR

Menu

+

1

0

Vale do Minho

‘Oui!’ – Lampreia francesa é uma “ameaça real” à nossa

3 Fevereiro, 2023 - 21:26

1100

0

Associação de Pescadores da Ribeira Minho defende certificação da lampreia do rio Minho.

A ameaça da lampreia importada de França à lampreia do rio Minho “é real”. As palavras são do Presidente da Associação de Pescadores da Ribeira Minho.

 

Num ano em que aquele ciclóstomo volta a escassear naquele curso de água internacional, David Sanches lança o alerta. Segundo o responsável já aconteceram e teme-se que voltem a acontecer casos de quem tente vender gato por lebre.

 

“A melhor forma para combater esta situação é com aquilo que já deveria ter sido feito: a certificação da lampreia do rio Minho”, defende. “Enquanto não for certificada, vamos ter lampreia francesa por aí”.

 

Aos jornalistas, o presidente daquela associação referiu mesmo que já recebeu um e-mail onde lhe é dada nota que importações de lampreia francesa estão para chegar à zona raiana. 

 

Nesta altura, contou o pescador, a escassez ainda é tanta que o preço de cada exemplar já supera os 60 euros.

 

 

Uma ameaça com mais 10 anos

Há seguramente mais de uma década que a sombra da lampreia francesa paira sobre o rio Minho. Sempre que há escassez, o assunto torna a vir à baila

 

Há 11 anos, por exemplo, foi exatamente assim. Os pescadores defendiam que aquela era de fraca qualidade.

 

Porém, João Guterres, um dos maiores especialistas em cozinha minhota e um dos impulsionadores da Confraria da Lampreia do Rio Minho acabou por ser polémico em declarações ao jornal Público.

 

Considerou na altura que “não há diferença nenhuma” entre as lampreias do Minho, do Lima ou até de França.

 

Para João Guterres, a preferência vai para a lampreia que tenha mais tempo de água, que “tenha sido mais batida”, para ficar com menos gordura.

 

“Onde noto diferença é na lampreia apanhada ali na barra, que nos dá um mau produto, se a cozinharmos acabada de pescar. A lampreia que vem de França já vem com muitos dias de água”.

 

“Quem é que me garante que as lampreias são do rio Minho? Ninguém. Nem o próprio pescador, porque há os que as compram quando há falta de lampreia”, disse.

 

 

“Que me tragam uma lampreia francesa e uma lampreia do rio Minho, eu preparo as duas e que me digam qual é uma e qual é outra”, desafiou o cozinheiro João Guterres em 2012. Até hoje ninguém ousou concretizar.

 

Ainda nesse ano, o Público ouviu vários proprietários da restauração. Nenhum foi capaz de explicar a diferença entre uma lampreia francesa e uma lampreia do rio Minho.

 

 

 

[Fotografia: Ilustrativa/DR]

Últimas