PUBLICIDADE
AVANÇAR

Menu

+

2

2

Monção

Monção: Dois reis assinaram um papel – Salvaterra e Tui deixaram de ser nossas (foi há 633 anos)

29 Novembro, 2022 - 00:04

3029

1

Segundo Tratado de Monção.

Os finais do século 14 não estavam a ser fáceis na Península. Na batalha de Aljubarrota, em agosto de 1385, os castelhanos levaram uma tareia de todo o tamanho. Mas continuavam inconformados.

 

No dia 1 de novembro de 1386, em Monção, Portugal e Inglaterra assinam o Tratado de Monção. Comprometem-se a ajudar um ao outro em combate.

 

Estas notícias iam chegando, evidentemente, ao outro lado do rio Minho. 

 

O rei de Castela, também João de seu nome, terá ficado preocupado. A tensão entre os dois reinos vizinhos agravava-se… mas os portugueses tinham agora os ingleses como aliados.

 

Era necessário aliviar a panela de pressão, antes que portugueses e castelhanos saíssem a perder com guerras desnecessárias.

 

D. João I e João I de Castela, dois reis vizinhos curiosamente com mesmo nome e ordinal, aceitam encontrar-se para discutir tréguas entre os dois reinos. Onde? Em Monção.

 

Assim sucedeu. No dia 29 de novembro de 1389, em terras de Deu-la-Deu, os dois monarcas assinaram o chamado Segundo Tratado de Monção

 

O documento estabelecia tréguas. Mas houve trocas: Portugal cedia a Castela as localidades de Salvaterra do Minho (passou a Salvaterra de Miño) e Tui (passou a Tuy), e recebia dos castelhanos Mértola, Noudar e Olivença, no Alentejo, e Castelo Melhor, Castelo Mendo e Castelo Rodrigo, no Ribacoa.

 

Vieram anos de paz para a Península.

 

Porém, segundo os historiadores, logo após a morte de D. João I de Portugal [1433], a fúria voltou a tomar conta dos castelhanos, já sob as ordens do rei D. João II de Castela. A guerra voltou. Invadiram Trás-os-Montes e tomaram Bragança, Vinhais e Mogadouro.

 

A espadeirada continuou pelos compendios de História fora.

 

 

 

[Fotografia: Arquivo/ Rádio Vale do Minho]

Últimas