PUBLICIDADE
3
AVANÇAR

Menu

+

0

0

Monção

Monção: Apareceu uma Deu-la-Deu numa rua de França (e nós já sabemos quem foi!)

25 Setembro, 2023 - 15:17

3665

0

Artista misterioso continua a espalhar obras… por aí.

A localidade de Tarascon-sur-Ariège, no sul de França, acordou por estes dias com novas obras de arte espalhadas pelas ruas.

 

Esculturas em azulejo num estilo que poderá ser estranho a quem lá vive, mas já familiar às gentes do Alto Minho.

 

Numa dessas esculturas está até claramente representada a emblemática imagem de Deu-la-Deu Martins, heroína de Monção.

 

Mais à frente, uma outra escultura em forma de garrafa de vinho, com a letra “A”. Um “A”… de Alvarinho. E também há um dragão.

 

Tudo apontava para um nome: Liratov, o misterioso artista também conhecido por Banksy do Alto Minho.

 

A Rádio Vale do Minho entrou em contacto com Liratov. Acertamos em cheio.

 

O artista, cuja verdadeira identidade permanece na sombra, assumiu de imediato a autoria das obras.

 

“São uma homenagem àquela cidade e também uma celebração da geminação com Monção”, explicou-nos o artista, revelando até que contactou com emigrantes da terra naquela localidade francesa.

 

 

 

Veja a galeria de fotos [cedidas à Rádio Vale do Minho]

 

 

 

 

[Fotografia: Cedida à Rádio Vale do Minho]

 

 

 

Recorde-se que Monção é geminada com Tarascon-sur-Ariège desde o dia 14 de março de 1992.

 

 

 

 

Mas quem é Liratov?

É ele o autor das famosas esculturas em azulejo espalhadas pelas paredes de grande parte do distrito de Viana do Castelo.

 

São tantas e por toda a parte que já há quem o chame de Banksy do Alto Minho, comparando-o já ao mundialmente famoso artista de rua britânico.

 

“Sinto-me muito honrado ao compararem-me com Banksy. Mas considero-me só o Liratov do Alto Minho”, disse-nos o artista ao telefone. Sem rosto. Apenas a voz.

 

Tudo começou no início do ano passado. O artista, cuja especialidade são trabalhos em azulejo, saiu às ruas da vila de onde é natural: Monção. Começam a aparecer os primeiros trabalhos nas paredes.

 

Um dragão aqui… um gato ali… um rato acolá… uma figura humana junto a cafés…

 

 

 

A Coca de Monção, de Liratov

[Fotografia: Instagram Liratov]

 

 

 

 

No início poucos ligaram. Mas trabalhos do género começaram a aparecer noutros concelhos nomeadamente Valença, Vila Nova de Cerveira, Viana do Castelo e Caminha.

 

“O grande objetivo é introduzir a arte urbana no Alto Minho. Sinto-me um pioneiro”, diz-nos Liratov em tom calmo do outro lado da linha. “Vou a lojas e utilizo as sobras de azulejos que vou arranjando”, explicou.

 

 

Visto pela GNR

Questionado se já foi alguma vez visto ou apanhado, o artista teve resposta pronta. “Uma vez a GNR passou por mim e viu-me a colar azulejos na parede. Como não disseram nada, lá continuei”, contou com uma gargalhada.

 

Geralmente, coloca as peças ao amanhecer. Mas já fez outras em plena luz do dia.

 

 

 

 

Veja a nossa galeria de fotos de alguns dos trabalhos de Liratov espalhados pelo Alto Minho

 

 

 

 

Cada peça com a sua mensagem

“Todas têm a sua mensagem. Em Monção, por exemplo, existe um avião a largar bombas perto do parque de estacionamento da Cova do Cão. Aí estou a referir-me ao flagelo da guerra”, explicou.

 

Na Quinta da Oliveira, também naquele concelho, é possível ver-se um cozinheiro. Está próximo a duas casas de restauração.

 

 

Um cozinheiro de Liratov na Quinta da Oliveira, em Monção

[Fotografia: Rádio Vale do Minho]

 

 

 

Não tem facebook, mas tem Instagram [clique para abrir] onde já conta com mais de meio milhar de seguidores.

 

“Tudo sempre feito com sobras por forma a reutilizar materiais. Considero-me um ambientalista”, disse-nos.

 

Entretanto, é andar por aí. Ao virar de cada rua… de cada esquina… pode sempre aparecer um Liratov.

 

 

 

[Fotografia capa: Cedida à Rádio Vale do Minho]

Últimas