Home Caminha Miguel Alves: “Se as fronteiras fecharem, metade da atividade comercial vai ao charco”