PUBLICIDADE
3
AVANÇAR

Menu

+

0

0

Alto Minho

Alto Minho: IPMA alerta para aumento de caravelas-portuguesas nas praias

24 Maio, 2024 - 16:01

117

0

A caravela-portuguesa não se move – flutua à superfície das águas, empurrada pelo vento, com os tentáculos pendentes.

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) alertou esta sexta-feira para o aumento recente de caravelas-portuguesas nas zonas costeiras dos Açores e do continente, e aconselhou cuidados e a comunicação de avistamentos.

 

O número de avistamentos de caravela-portuguesa (Physalia physalis) comunicados ao programa de monitorização de organismos gelatinosos na costa portuguesa (GelAvista), do IPMA, tem vindo a aumentar ao longo da última semana, nos Açores e no continente, com casos desde Espinho até Sines, revela o IPMA.

 

A caravela-portuguesa, uma colónia de organismos da classe dos hidrozoários semelhante na aparência a uma alforreca, é a espécie gelatinosa mais perigosa que surge em Portugal, pelo que o IPMA pede que se as pessoas a detetarem no mar ou no areal, não lhe toquem e informem quem estiver perto.

 

As caravelas podem causar lesões severas na pele, semelhantes a queimaduras, mesmo depois de mortas.

 

Em caso de contacto acidental com uma caravela-portuguesa o IPMA aconselha a lavagem do local afetado com água do mar mas sem esfregar, a remoção de possíveis vestígios de tentáculos e a aplicação de compressas quentes ou vinagre, durante 20 minutos. E consultar um médico.

 

 

Cuidados a ter

Não toque nestas gelatinosas.

 

Algumas espécies de medusa podem picar, injetando veneno e causando reações locais e, no caso da caravela portuguesa, efeitos sistémicos ocasionais.

 

Estas espécies têm células chamadas cnidócitos usadas para alimentação e defesa, que são como minúsculas seringas que injetam substâncias tóxicas por contacto com outros animais. Os cnidócitos encontram se essencialmente nos tentáculos.

 

No caso dos humanos, o nível de toxicidade depende da espécie e da quantidade de veneno injetada.

 

Os cnidócitos permanecem ativos mesmo quando os animais estão mortos na areia da praia.

 

A maioria dos contactos é acidental e ocorrem na praia. Por isso, é importante que os frequentadores das praias evitem tocar nos organismos arrojados especialmente nos tentáculos.

 

 

 

[Fotografia: GelAvista]

 

 

O que fazer?

Se avistar uma (ou várias) caravela-portuguesa na praia, deve alertar de imediato os responsáveis pela segurança da praia. Neste caso, apela o GelAvista, os nadadores-salvadores.

 

Se tiver tocado em alguma: 

  • Lave a zona afetada com água do mar, sem esfregar;
  • Remova com uma pinça os possíveis vestígios do organismo que possam estar na pele

 

 

Não faça isto:

  • Não usar água doce, álcool, ou amónia;
  • Não usar ligaduras ou pensos rápidos.

 

 

Após lavar e limpar com água do mar a zona afetada:

  • Aplicar compressas quentes (40º C) durante cerca de 20 minutos;
  • Aplicar vinagre sem diluir;
  • Se estiver em choque, com dificuldades em respirar ou a dor persistir, consulte o seu médico ou farmacêutico.

 

 

Vale referir que a caravela-portuguesa não se move – flutua à superfície das águas, empurrada pelo vento, com os tentáculos pendentes com a finalidade de capturar peixes para a sua alimentação. Os tentáculos podem atingir um comprimento de 50 metros, mas a média é cerca de 30 metros.

 

 

 

[Fotografia: GelAvista]

Últimas