PUBLICIDADE
3
AVANÇAR

Menu

+

0

0

Ponte de Lima

Alegado homicida de emigrante portuguesa detido na Suíça

12 Julho, 2012 - 08:18

188

0

O Ministério dos Negócios Estrangeiros (MNE) informou que o alegado homicida da emigrante portuguesa na Suíça já foi detido pelas autoridades locais, mas ainda não existe qualquer data para a libertação do corpo da vítima.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros (MNE) informou que o alegado homicida da emigrante portuguesa na Suíça já foi detido pelas autoridades locais, mas ainda não existe qualquer data para a libertação do corpo da vítima.

“O alegado autor do crime já foi detido pelas autoridades suíças”, disse à agência Lusa fonte oficial do MNE.

O homicídio da mulher, que tinha 31 anos e era natural de Vilar do Monte, Ponte de Lima, aconteceu a 04 de julho numa localidade suíça, através de disparos com uma arma de fogo, alegadamente realizados pelo ex-companheiro.

A GNR de Ponte de Lima chegou a apoiar a Policia Judiciária na procura do emigrante português na Suíça, de 33 anos e natural daquele concelho, suspeito da autoria do homicídio.

“O MNE está a acompanhar o caso, em contacto com as autoridades suíças, como é prática normal em casos semelhantes. O corpo está ainda retido para investigação criminal, razão pela qual não existe data para a libertação do mesmo”, explicou a mesma fonte, sem esclarecer as circunstâncias em que o alegado autor do homicídio foi detido.

As autoridades suíças chegaram a pedir o apoio português neste caso, por terem admitido o cenário de fuga do emigrante para Ponte de Lima, onde foi visto há mais de uma semana, poucos dias antes do homicídio da mulher com quem esteve casado durante cerca de 14 anos.

Aquele emigrante já estava referenciado pelas autoridades suíças por episódios de maus-tratos à mulher até à separação do casal, em outubro de 2011, após a qual a ex-companheira assumiu a custódia da filha de ambos, de 13 anos.

“A filha da vítima está, por agora, sob tutela das autoridades suíças, não tendo sido pedida qualquer ação específica ao Consulado português”, explicou ainda a fonte do MNE.

Últimas