PUBLICIDADE
AVANÇAR

Menu

0

0

Destaques
Mundo

11 de setembro: A data que o mundo não esquece – Foi há 20 anos [VÍDEOS]

11 Setembro, 2021 - 00:01

153

0

PUB Há 20 anos, o dia começava como tantos outros. Em Portugal, Jorge Sampaio era o Presidente da República. A liderar o Governo estava António Guterres. Ainda na retina estavam […]

PUB

Há 20 anos, o dia começava como tantos outros. Em Portugal, Jorge Sampaio era o Presidente da República. A liderar o Governo estava António Guterres. Ainda na retina estavam o êxito e a projeção alcançadas por Portugal com a Expo’ 98 realizada em Lisboa. Por todos os concelhos, as peças políticas começavam a mover-se. Era ano de eleições autárquicas e já se sabia a data: 16 de dezembro.

A manhã foi rotineira para a maior parte dos portugueses. Chegou a tarde. Os relógios portugueses marcavam 13h46 quando em Nova Iorque, nos Estados Unidos da América, cinco horas mais cedo, um avião embatia contra uma das torres do World Trade Center. O mundo entrou em choque.

As televisões entraram imediatamente em direto. Aquilo que de início se pensava tratar-se apenas de um incêndio, confirmou-se que foi mesmo um avião. “Trágico acidente”, noticiavam várias estações.

Se a tragédia era suficiente, o impensável aconteceu a seguir. Às 14h03 portuguesas (9h03 em Nova Iorque) um outro avião colide com a segunda torre. E aí deixaram de existir dúvidas. Tratava-se realmente de um ataque terrorista.

 

 

Parecia um trágico acidente… quando um segundo avião colidiu com a outra torre

 

 

Às 14h37 (9h37 em Nova Iorque) um outro avião colidiu contra o Pentágono. Cerca de um quarto de hora depois, na Pensilvânia, outro avião é derrubado deliberadamente por terroristas.

O que aconteceu depois, ainda permanece bem vivo na memória da humanidade. Pessoas desesperadas no topo das torres a pedir socorro e muitas, sem esperança, a lançar-se no vazio. As imagens, em direto, deixavam o mundo perplexo… como se o tempo tivesse estagnado ali.

As torres caíram. O terror, os gritos e o choro tomaram conta da cidade e de todos os Estados Unidos da América que levariam vários anos a recuperar o local onde aconteceu a enorme tragédia. Não tardou até que fossem conhecidos os autores: a organização fundamentalista islâmica al-Qaeda.

 

 

Torres colapsaram pouco tempo após o impacto dos aviões

 

 

Quase três mil pessoas morreram durante estes ataques, incluindo os 227 civis e os 19 sequestradores a bordo dos aviões. A esmagadora maioria das vítimas eram civis, incluindo cidadãos de mais de 70 países. Além disso, há pelo menos um óbito secundário – uma pessoa foi descartada da contagem por um médico legista, pois teria sido morto por uma doença pulmonar devido à exposição à poeira do colapso do World Trade Center.

No local onde outrora existiam as torres gémeas do World Trade Center, existe agora um Memorial. Foi inaugurado em 2011, no 10º aniversário após os ataques. Estão lá gravados os nomes das 2.983 vítimas dos atentados em placas de bronze atreladas ao parapeito das fontes do memorial: 2.977 mortas nos atentados de 11 de setembro de 2001 e seis mortas durante um outro atentado ocorrido em 1993.

 

Onde outrora existiam as torres gémeas, foi construído um espaço em memória das vítimas

 

 

Duas décadas depois, o dia que mudou literalmente o mundo ainda permanece vivo na memória de toda a humanidade. Foram produzidos vastos estudos, obras literárias, filmes e documentários televisivos sobre o tema. Mas tudo começa quase sempre à mesa de um café: «Onde é que estavas no 11 de setembro?»

 

[Fotografia: Arquivo / Los Angeles Times]

 

PUB

 

 

 

 

Últimas