PUBLICIDADE
AVANÇAR

Menu

0

0

Destaques
País

País: Falta de componentes eletrónicos pode durar até 2023 – Indústria automóvel preocupada

4 Setembro, 2021 - 22:51

81

0

PUB A falta de componentes eletrónicos para o fabrico de automóveis pode durar até 2023. De acordo com notícia avançada pela TSF, o cenário é admitido por um dos maiores […]

PUB

A falta de componentes eletrónicos para o fabrico de automóveis pode durar até 2023. De acordo com notícia avançada pela TSF, o cenário é admitido por um dos maiores produtores europeus, deitando por terra a expectativa de que o problema poderia ser resolvido no próximo ano.

Estes componentes são fundamentais para o setor automóvel mas não só. Sem eles, é impossível fabricar muitos engenhos que deles dependem. Os automóveis, com capacidades cada vez mais complexas, são o setor mais afetado. A Peugeot, por exemplo, abandonou os velocímetros eletrónicos para voltar aos velhinhos ponteiros que marcam os quilómetros/hora.

As dificuldades começaram com o início da pandemia, que colocou a nu as dependências das cadeias globais de abastecimento. Com o mundo a fechar por causa do coronavírus, muitas fábricas encerraram e o abastecimento esteve parado durante meses. Ao mesmo tempo, com mais pessoas em casa, a procura por tecnologia aumentou.

Depois, a reabertura da economia não foi homogénea em todo o mundo, contrariando a expectativa de que a disrupção poderia ser curta e com pouco impacto.

Para dificultar anda mais, esta falta de componentes acontece ao mesmo tempo que os fabricantes estão a fazer a transição para os automóveis elétricos, ainda mais dependentes dos chips eletrónicos.

O setor automóvel é o mais afetado, mas a falta de semicondutores afeta muitos outros, como os fabricantes de telemóveis e até de consolas de videojogos.

Em Portugal, recorda ainda a TSF, o setor dá trabalho a mais de 60 mil pessoas. O presidente da Associação de Fabricantes para a Indústria Automóvel, José Couto, receia que o prolongamento das dificuldades de fornecimento de componentes eletrónicos possa ter consequências no emprego.

“Isso é uma coisa que não queiramos que acontecesse, porque, de facto, estamos a falar de pessoas muito bem treinadas, muito competentes, com capacidades extraordinárias”, refere, acrescentando que tem de se esperar para ver o que pode acontecer e “se isto significa de imediato uma diminuição da capacidade instalada nas empresas”.

 

[Fotografia: Ilustrativa / DR]

 

PUB

Últimas