PUBLICIDADE
AVANÇAR

Menu

+

0

0

Legislativas

Miguel Alves: “Agora o que importa é Portugal”

31 Janeiro, 2022 - 09:47

466

0

Legislativas 2022.

O presidente da Federação do PS de Viana do Castelo, Miguel Alves, mostrou-se esta segunda-feira – evidentemente – muito orgulhoso com os resultados obtidos pelo partido nas eleições legislativas antecipadas deste domingo.

 

A nível nacional, os socialistas alcançaram a maioria absoluta. Obtiveram 41,68% dos votos e elegeram 117 deputados. O PSD, segunda força política mais votada, não foi além dos 27,80% e elegeu 71 deputados.

 

No Alto Minho, o PS foi demolidor: venceu em nove de 10 concelhos. Incluindo Monção e Arcos de Valdevez. Os socialistas alcançaram no distrito de Viana do Castelo 42,06% dos votos. O PSD obteve 34,17%. Elegem três deputados cada um.

 

“O Partido Socialista alcançou uma vitória histórica no distrito de Viana do Castelo. O resultado que obteve nas eleições legislativas é o segundo melhor de sempre, permitindo-lhe eleger três deputados e ganhar em nove dos 10 concelhos do Alto Minho, números rotundos que contribuíram para a maioria absoluta que o PS obteve a nível nacional”, referiu Miguel Alves.

“O PS saúda todos os alto-minhotos que votaram e  fizeram com que a abstenção regredisse, agradece aos cidadãos que tornaram possível o processo eleitoral e cumprimenta democraticamente todos os candidatos nestas eleições. Os socialistas do Alto Minho cumpriram todos os seus objetivos com distinção, assinando a quarta vitória em legislativas desde o 25 de abril e elegeram Tiago Brandão Rodrigues, Marina Gonçalves e José Maria Costa, personalidades que honram o PS e todo o distrito de Viana do Castelo”, prosseguiu o presidente da distrital socialista e autarca de Caminhoa.

 

“O tempo, agora, é de trabalho, de dedicação e de contributo para o progresso de Portugal e de toda a região. Juntos seguimos e conseguimos. Agora, o que importa é Portugal”, concluiu.

 

No panorama nacional, a abstenção foi de 43%. No distrito de Viana do Castelo rondou os 47%.

 

[Fotografia: Arquivo/PS Divulgação]

Tópicos:

#Legislativas

Últimas