Menu

+

0

1

Melgaço

Melgaço: Estudantes de desporto foram aprender (e viver uma aventura!) a mais de 10 mil quilómetros daqui

2 Janeiro, 2024 - 15:51

1670

1

Erasmus internacional.

Guilherme Teixeira e Guilherme Alvelos viveram uma experiência única em Taipei, Taiwan. Uma cidade a mais de 10 mil quilómetros de Melgaço.

 

Estudantes do curso de licenciatura em Desporto e Lazer, da Escola Superior de Desporto e Lazer do Politécnico de Viana do Castelo, em Melgaço, ambos contam as aventuras que viveram e os desafios que encontraram num país e numa cultura totalmente diferente daqueles a que estavam acostumados.

 

Têm em comum muito mais do que o nome próprio ou o curso de licenciatura que escolheram frequentar.

 

Guilherme Teixeira e Guilherme Alvelos estão em Melgaço, no curso de licenciatura em Desporto e Lazer, da Escola Superior de Desporto e Lazer do Politécnico de Viana do Castelo, e recentemente viveram uma experiência que recomendam a qualquer estudante: Erasmus Internacional, no caso, na Universidade de Taipei, em Taiwan.

 

 

 

Mais de 10 mil quilómetros separam Melgaço de Taipei

[Fonte: Leaflet]

 

Universidade de Taipei, em Taiwan

[Fotografia: DR]

 

 

 

Desafiados pelo diretor da Escola Superior de Desporto e Lazer (ESDL-IPVC), Pedro Bezerra, os dois “Guilhermes” decidiram fazer as malas e rumar praticamente para o outro lado do mundo.

 

“Foi uma aventura, num país completamente desconhecido para nós, mas que acabou por correr muito bem. É uma cultura totalmente diferente, para não falar da Língua e dos hábitos. Acabámos por trazer na bagagem não só aprendizagens relacionadas com a nossa área de formação – desporto e lazer –, mas também sobre a forma de interagir/lidar com os outros”, começa por adiantar Guilherme Teixeira, de 26 anos, natural dos Açores.

 

 

 

“Profissionais são rigorosos e disciplinados”

Em Taipei, os dois estudantes trabalharam com a Universidade local e a Federação de Futebol de Taiwan, com o propósito de criarem conteúdos para os cursos lá existentes de treinadores e depararam-se com uma realidade muito diversa daquela que levaram para a viagem.

 

“Os profissionais são muito rigorosos e disciplinados, mas a nível de conhecimento, acredito que ainda terão um longo caminho pela frente nessa matéria. Tivemos experiências muito desafiantes. Tivemos, por exemplo, de treinar com equipas com mais de 30 jogadores. Lidámos com crianças, adultos. E, por vezes, a gestão não era fácil. Além disso, a barreira linguística também foi um desafio muito grande”, acrescenta o colega de turma.

 

 

 

“Foi um choque quando lá chegamos”

Guilherme Alvelos, natural de Barcelos, confessa que teve algumas dúvidas em aceitar o desafio para viajar até Taipé. É diabético e, por isso, os seus receios foram também os da família. Mas, no final, ficou apenas uma experiência para somar conhecimento e, quem sabe, um dia poder repetir.

 

“Foi um choque quando lá chegámos. A temperatura – muito valor e muita humidade –, a comida, a cultura…, mas penso que valeu completamente a pena e fez de mim uma pessoa melhor”, descreve o estudante de 21 anos.

 

“Quem puder, que aproveite estas experiências que nos são possibilitadas enquanto estudantes. Dão-nos outras perspetivas e o conhecimento que trazemos vai muito além daquele que aprendemos em sala de aula”, acrescentou.

 

 

 

[Fotografia capa: IPVC]

Últimas