PUBLICIDADE
AVANÇAR

Menu

+

0

0

Caminha

10 Março, 2010 - 08:35

99

0

A presidente da Câmara de Caminha, Júlia Paula Costa, apelou à "sensibilidade" da Segurança Social para evitar o encerramento de uma fábrica têxtil do concelho, que emprega 100 trabalhadores.

A presidente da Câmara de Caminha, Júlia Paula Costa, apelou à "sensibilidade" da Segurança Social para evitar o encerramento de uma fábrica têxtil do concelho, que emprega 100 trabalhadores.
Segundo a autarca social-democrata, a fábrica Mourassos tem uma dívida de dois milhões de euros à Segurança Social, metade de juros.
Perante esta situação, e ainda de acordo com Júlia Paula Costa, a Segurança Social já pediu às Finanças para acionarem a penhora da fábrica, o que "provavelmente" conduzirá ao seu encerramento.
"Se o Estado acionar a penhora, a primeira coisa que vai penhorar são as contas bancárias, de onde se pagam os ordenados", referiu a autarca, lembrando que se trata de uma empresa que "tem trabalho".
Júlia Paula salientou ainda que quase todos os trabalhadores da Mourassos "têm mais de 20 anos de casa", o que significa que, em caso de fecho, "irão receber subsídio de desemprego durante três anos".
"Isso custará mais ao Governo do que manter aqueles postos de trabalho. Depois, vão vender em hasta pública um pavilhão que vai render uma ninharia", afirmou.
Por isso, a presidente da Câmara de Caminha diz não entender por que é que a Segurança Social "não quer sequer perdoar os juros, o que seria reduzir a dívida para metade, e não permite que a empresa consiga um acordo" para pagamento da restante metade.
"Também não consigo entender por que é aqueles 100 trabalhadores são diferentes dos trabalhadores da Maconde e das grandes empresas em que o Governo não teve problema nenhum em perdoar, intervir, facilitar. Não percebo por que é que aqueles 100 portugueses são diferentes dos outros", acrescentou.
Júlia Paula apelou à "sensibilidade" da Segurança Social para perceber que o fecho da Mourassos, que se juntaria ao da Regeny (174 trabalhadores), teria "um impacto social e económico muito grave" no concelho de Caminha.

FONTE : Lusa

Últimas