PUBLICIDADE
AVANÇAR

Menu

+

0

1

Paredes de Coura

P. Coura: Jovens formaram laço azul humano no centro da vila

28 Abril, 2022 - 16:45

289

0

Prevenção dos Maus Tratos na Infância. 

Várias dezenas de alunos do Agrupamento de Escolas de Paredes de Coura e do pólo local da Escola Profissional do Alto Minho Interior (EPRAMI) formaram esta quinta-feira, em pleno centro da vila, um laço azul humano.

 

A iniciativa, promovida pela Comissão de Proteção de Crianças e Jovens de Paredes de Coura, integrou-se no encerramento do Mês da Prevenção dos Maus Tratos na Infância.

 

Para o efeito, foram utilizados guarda-chuvas azuis. A atividade contou ainda com a colaboração da GNR e SPC/Escola Segura. 

 

A Campanha do Laço Azul (Blue Ribbon) iniciou-se em 1989, na Virgínia, Estados Unidos da América, quando uma avó, Bonnie W.Finney, amarrou uma fita azul à antena do seu carro para fazer com que as pessoas se questionassem.

A história que Bonnie Finney contou aos elementos da comunidade que se revelaram curiosos foi trágica e sobre os maus-tratos à sua neta, os quais já tinham morto o seu neto de forma brutal por espancamento pela mãe e namorado.

 

Iniciativa contou com a colaboração de várias dezenas de jovens

[Fotografia: Cecília Pereira / Grupo FB Terra Amada]

 

 

E porquê azul? Porque apesar do azul ser uma cor bonita, Bonnie Finney não queria esquecer os corpos batidos e cheios de nódoas negras dos seus dois netos. O azul, que simboliza a cor das lesões, servir-lhe-ia como um lembrete constante para a sua luta na proteção das crianças contra os maus-tratos.

 

Esta campanha, que começou como uma homenagem desta avó ao neto, expandiu-se e, atualmente, muitos países usam as fitas azuis, durante o mês de abril, em memória daqueles que morreram como resultado de abuso infantil e como forma de apoiar as famílias e fortalecer as comunidades nos esforços necessários para prevenir o abuso infantil e a negligência.

 

As fitas azuis correspondem a uma iniciativa de sensibilização e é uma oportunidade para lembrar a responsabilidade coletiva e comunitária para a prevenção dos maus tratos.

 

 

[Fotografias: Cecília Pereira/Grupo FB Terra Amada]

Últimas