PUBLICIDADE
AVANÇAR

Menu

+

1

2

Monção

Barbosa arrasa ‘São Bento’ – “Não estou na política para ser Secretário de Estado ou Ministro!”

1 Outubro, 2022 - 22:08

1922

0

Líder da concelhia do PSD Monção teceu duras críticas aos deputados e a quem Governa a partir de Lisboa.

“Não estou na política para ser Secretário de Estado ou Ministro! Não tenho perfil para estar em locais onde não temos a capacidade de poder transformar e onde temos de seguir as regras. Isso para mim não dá!”.

 

A certeza foi deixada este sábado pelo Presidente da Comissão Política Concelhia do PSD Monção, António Barbosa, durante a cerimónia de tomada de posse dos novos órgãos da JSD daquele concelho.

 

“No dia em que efetivamente eu me sentisse com gente capaz de fazer o que fazemos nas autarquias, no poder local, sem estarmos preocupados se estamos a governar para seis meses… um ano e meio… mas indo lá para fazer aquilo que o país realmente precisa, aí tanto eu como outros que estão aqui diriam que sim”, prosseguiu Barbosa.

 

De baterias apontadas ao hemiciclo de São Bento e com dois deputados pelo PSD na Assembleia da República – Emília Cerqueira e Jorge Mendes – na fila da frente do auditório, o líder monçanense do PSD foi taxativo.

 

“Hoje há cada vez menos gente com competência para aceitar esses desafios, porque sabem que são apenas mais um a caminhar neste abismo que Portugal é há mais de 40 anos”, prosseguiu o também presidente da Câmara Municipal de Monção que se considerou um político “fora do sistema”.

 

“Hoje olho para o nosso partido. Olho para os que nos governam e olho para todos os que lá passam [pela Assembleia da República]. E passados mais de 40 anos desde o 25 de abril, vejo que quem lá passa não está lá com motivos semelhantes àqueles com que estamos nas autarquias”, lamentou Barbosa.

 

Motivos estes que, para o líder do PSD passam pela “capacidade, proximidade e rapidez que temos em transformar a vida dos nossos territórios”.

 

“Isto devia ser o fundamento de quem está lá em baixo!”, concluiu Barbosa fortemente aplaudido por todo auditório do polo de Monção da Escola Profissional do Alto Minho Interior (EPRAMI) totalmente cheio.

 

 

O puto de 15 anos que guardou uma camisola

Tiago Viana, com 24 anos de idade e natural da freguesia de Cambeses, é agora o jovem que está à frente da JSD Monção.

 

Chamado ao palco para o discurso de tomada de posse, o jovem recuou até 2013. Tinha apenas 15 anos quando, contou, viu um candidato do PSD à Câmara de Monção rodeado também de jovens. “Alguns deles ainda nem sequer tinham idade para votar”, recordou.

 

Era António Barbosa que na altura se candidatava pela primeira vez ao cargo num sufrágio em que perdeu apenas por três votos para o PS.

 

O agora jovem dirigente não esqueceu esse momento e mostrou em palco, com orgulho, uma camisola daquela campanha eleitoral que guardou desde então. Aplausos.

 

 

 

Tiago Viana mostra com orgulho a camisola que conseguiu na campanha eleitoral de António Barbosa, em 2013

[Fotografia: Rádio Vale do Minho]

 

 

Constituída por vários gabinetes, cada um com a sua área de atuação, a atual equipa da JSD mereceu rasgados elogios por parte de António Barbosa. Uma equipa “totalmente livre” ou seja, surgiu sem ter sido necessária qualquer intervenção (auxílio) do Presidente da Comissão Política Concelhia.

 

Uma JSD Monção que, frisou Tiago Viana, “não está só atenta ao Município mas também ao país”.

 

“A situação dos jovens em Portugal é degradante. Ser jovem em Portugal é pagar valores absurdos para estudar, é não ter professores para aprender, é pagar valores elevados para ter cuidados de saúde, é sair de casa dos pais muito tarde, é ouvir mentiras por parte dos governantes e malabarismos da imprensa”, criticou Tiago Viana.

 

“Nós, jovens, queremos contrariar este cenário! A mudança começa com a ajuda de todos. Queremos trabalhar em conjunto com todos e para todos”, assegurou o jovem que concluiu a citar Francisco Sá Carneiro.

 

“«O exercício da democracia significa, aqui e agora: audiência ao povo, iniciativa popular, participação institucionalizada de todos na criação das condições estruturais da sua implantação»”, rematou.

 

 

[Fotografias capa: Rádio Vale do Minho]

Últimas