PUBLICIDADE
AVANÇAR

Menu

+

2

1

Alto Minho

Alto Minho: Estas esculturas estão por todo o lado… e nós descobrimos o autor! (é o ‘Banksy’ de cá)

12 Novembro, 2022 - 16:50

2079

0

Liratov.

Diz chamar-se Liratov. E é assim que quer que lhe chamem. É ele o autor das famosas esculturas em azulejo espalhadas pelas paredes de grande parte do distrito de Viana do Castelo.

 

São tantas e por toda a parte que já há quem o chame de Banksy do Alto Minho, comparando-o já ao mundialmente famoso artista de rua britânico.

 

“Sinto-me muito honrado ao compararem-me com Banksy. Mas considero-me só o Liratov do Alto Minho”, disse-nos o artista ao telefone. Sem rosto. Apenas a voz.

 

Tudo começou há uns meses, quando a pandemia da COVID-19 acalmou. O artista, cuja especialidade são trabalhos em azulejo, saiu às ruas da vila de onde é natural: Monção. Começam a aparecer os primeiros trabalhos nas paredes.

 

Um dragão aqui… um gato ali… um rato acolá… uma figura humana junto a cafés…

 

 

A Coca de Monção, de Liratov

[Fotografia: Instagram Liratov]

 

 

No início poucos ligaram. Mas trabalhos do género começaram a aparecer noutros concelhos nomeadamente Valença, Vila Nova de Cerveira, Viana do Castelo e Caminha.

 

“O grande objetivo é introduzir a arte urbana no Alto Minho. Sinto-me um pioneiro”, diz-nos Liratov em tom calmo do outro lado da linha. “Vou a lojas e utilizo as sobras de azulejos que vou arranjando”, explicou.

 

 

Visto pela GNR

Questionado se já foi alguma vez visto ou apanhado, o artista teve resposta pronta. “Uma vez a GNR passou por mim e viu-me a colar azulejos na parede. Como não disseram nada, lá continuei”, contou com uma gargalhada.

 

Geralmente, coloca as peças ao amanhecer. Mas já fez outras em plena luz do dia.

 

 

 

Veja a nossa galeria de fotos de alguns dos trabalhos de Liratov espalhados pelo Alto Minho

 

 

 

 

Cada peça com a sua mensagem

“Todas têm a sua mensagem. Em Monção, por exemplo, existe um avião a largar bombas perto do parque de estacionamento da Cova do Cão. Aí estou a referir-me ao flagelo da guerra”, explicou.

 

Na Quinta da Oliveira, também naquele concelho, é possível ver-se um cozinheiro. Está próximo a duas casas de restauração.

 

 

Um cozinheiro de Liratov na Quinta da Oliveira, em Monção

[Fotografia: Rádio Vale do Minho]

 

 

Não tem facebook, mas tem Instagram [clique para abrir] onde já conta com mais de meio milhar de seguidores. “Tudo sempre feito com sobras por forma a reutilizar materiais. Considero-me um ambientalista”, disse-nos.

 

Parar está fora de questão. Sempre que pode, Liratov lá sai de casa para colocar mais uma peça por aí.

 

“Estou até a pensar sair das fronteiras do Alto Minho. Ou para baixo, para a zona do Cávado… ou então para a Galiza”, revelou o artista que já diz ter vários projetos para colocar na estrada… ou na berma dela, mais concretamente falando.

 

Entretanto, é andar por aí. Ao virar de cada rua… de cada esquina… pode sempre aparecer um Liratov.

 

 

[Fotografias capa: Rádio Vale do Minho / Inst. Liratov]

Tópicos:

#Arte#Cultura

Últimas